Anucie sua empresa

Anucie sua empresa

terça-feira, 5 de junho de 2012

Arraial da APPTA

APPTA realiza arraial com Vozes do Campo




domingo, 3 de junho de 2012

Dedé Monteiro


Soneto de Revolta

Que culpa tenho de ser diferente?
Amar as artes, por ventura, é crime?
Tudo é mutável , e o irreverente
Não se acostuma com qualquer regime.

Contra a vontade rude e indiferente,
Eu sou amante do sagrado time
Que empresta a alma, sofre, cria e sente,
E se sente nojo do poder que oprime.

Aprendam isso: gente não doma.
Pichem meu nome, rasguem meu diploma...
Aceito tudo com tranqüilidade.

Se acharem pouco, cubram-me de lodo,
Cortem meu riso, me excomunguem todo,
Mas não me toquem na dignidade!

( Dedé Monteiro)

Revista Coisas de Tabira



Tabira lança Coisas de Tabira

Durante as festividades da Emancipação, Roberta Costa - Secretaria de Administração de Tabira lançou a Revista " Coisas de Tabira"! Material excelente, bem organizado e, sem dúvida, registro da diversidade tabirense! 
Claro que não contempla tudo que Tabira tem , no entanto, acredito que as próximas edições trarão esse complemento! 

Parabéns Roberta, Rafinha e todos que contribuíram para as " Coisas de Tabira"!


Olá, gente!


Há quanto tempo não visitava as páginas poéticas e sertanejas do nosso blog! A correria da vida, os contratempos, as indisponibilidades fizeram com que eu ficasse um tempo longe de tudo. Era o chamado silêncio virtual! Mas estou de volta pra rascunhar...  e manter um contato com os nossos leitores! Uma forma viva de manter nossa cultura e nossa história acesa nas chamas da internet!

E então , gente... Tantos amigos perguntaram o motivo do meu silêncio na internet, questionaram, xingaram... pediram que eu voltasse! Eu nem sabia que liam meu blog assim! ( risos) E olhe que são bons leitores! É uma responsabilidade imensa escrever pra esse povo maravilhoso!

Enfim, estou de volta! E volto dizendo o que Dedé Monteiro disse:


Pelas horas repletas  de alegria

Por algumas bordadas de tristeza

Pela calma da noite, pelo dia,

Pela força sem fim da natureza.

Pelo sol, pela chuva, pelo vento,

Pelas grandes lições que o sofrimento

Muitas vezes, na vida, tem em dado!

Pelo quanto me dás, sem que eu mereça

Pela fé que me diz que eu te agradeça

Obrigado, Senhor, muito obrigado!


Um abraço poético e vamos nos encontrando de novo!

Veronica Sobral